21ª posição para Portugal, no índice dos países mais atrativos para investir em energias renováveis

Atualmente, existem diferentes fatores desestabilizadores políticos, económicos e sociais, que condicionam a forma como a Europa se apresenta como opção de investimento no panorama global. No entanto, os recentes estudos mostram que os investidores globais continuam a acreditar e apostar nos vários mercados europeus. Portugal não é exceção a esta tendência. Aliás, o nosso país tem surgido cada vez mais no radar mundial como país que oferece condições únicas, nomeadamente relacionadas com o nível de estabilidade social, a melhoria dos indicadores económicos, diversificação e inovação e uma cada vez maior aposta nos fatores diferenciadores nacionais.

Recentemente a consultora EY, divulgou o seu mais recente relatório que mostra o ranking mundial dos países mais atrativos, para investir em energias renováveis. Num ranking que engloba 40 países, Portugal mantém-se sensivelmente a meio da tabela, em 21º lugar, melhorando a sua posição comparativamente à anterior avaliação (novembro de 2020), altura em que ocupava a 22ª posição do ranking. O país obteve os melhores resultados na atratividade para energia solar fotovoltaica, energia eólica onshore (em terra), hídrica e biomassa. As piores pontuações surgem na categoria da energia geotérmica e energia eólica offshore.

Designado de RECAI – Renewable Energy Country Attractiveness Index, este índice de atratividade, criado em 2003 pela E&Y, é publicado semestralmente e pretende classificar os países em função das oportunidades de investimento e desenvolvimento no setor das energias renováveis.

10 países mais atrativos para investir em energias renováveis

O atual ranking  é liderado pelos EUA, China e Índia. O top 10 integra ainda os seguintes países:

  • Reino Unido
  • França
  • Austrália
  • Alemanha
  • Japão
  • Holanda
  • Espanha

Pode consultar o ranking completo aqui: RECAI 2021.

Portugal, dadas as caraterísticas naturais que possui, é um país rico nas mais variadas formas de recursos endógenos e faz todo o sentido apostar na produção de energia renovável. Para tal, é importante que sejam implementadas políticas que promovam o desenvolvimento e a proliferação das tecnologias e instalações ligadas aos recursos renováveis.

Atualmente, o país tem em ação o  Plano Nacional de Energia e Clima (PNEC) para 2030, que prevê um grande crescimento no setor das renováveis em Portugal, principalmente na produção de energia solar fotovoltaica, que deverá passar da marca atual de 1 GW para uma potência entre 7 e 9 GW. O PNEC prevê ainda algum crescimento no setor da energia eólica onshore.

Em linha com as metas da UE e reconhecendo a inevitabilidade da transição energética dada a urgência climática e a necessidade de mudança do paradigma económico, em particular, no que toca aos combustíveis fósseis, Portugal, tem ainda o objetivo de alcançar a neutralidade carbónica em 2050.

Fonte: EY; Portugal Energia